Deveres de casa

Continue reading “Deveres de casa”

Cena familiar

Continue reading “Cena familiar”

Utopia

Continue reading “Utopia”

Gosto de gente

Continue reading “Gosto de gente”

Eu sou pelas árvores

Continue reading “Eu sou pelas árvores”

Transparência

Continue reading “Transparência”

Mar

Continue reading “Mar”

Uma semente, uma promessa

Continue reading “Uma semente, uma promessa”

A Vida inteira

Continue reading “A Vida inteira”

A menina Gotinha de Água

Continue reading “A menina Gotinha de Água”

Tenho tempo

Continue reading “Tenho tempo”

Manhã

Continue reading “Manhã”

Mãe negra

Continue reading “Mãe negra”

O poema

Continue reading “O poema”

Metal

Continue reading “Metal”

O silêncio da manhã

Continue reading “O silêncio da manhã”

Da cor roxa

Continue reading “Da cor roxa”

Poesia

Continue reading “Poesia”

Inocências feridas

Continue reading “Inocências feridas”

Quando o sonho…

Continue reading “Quando o sonho…”

Os pequenos barcos brancos

Continue reading “Os pequenos barcos brancos”

Este silêncio do universo

Continue reading “Este silêncio do universo”

Violetas

Continue reading “Violetas”

Azul

Continue reading “Azul”

Verde mistério

Continue reading “Verde mistério”

Sem sombra

Continue reading “Sem sombra”

Exortação à vida

Continue reading “Exortação à vida”

Sabedoria

Continue reading “Sabedoria”

Devagar

Continue reading “Devagar”

Tarde

Continue reading “Tarde”

E a manhã é de sol

Continue reading “E a manhã é de sol”

Voo

Continue reading “Voo”

Anseio

Continue reading “Anseio”

Desvendar

Continue reading “Desvendar”

Esperança

Continue reading “Esperança”

Mar

Continue reading “Mar”

A paz

Continue reading “A paz”

As flores cantam

Continue reading “As flores cantam”

Gotas de céu

Continue reading “Gotas de céu”

Páscoa

Continue reading “Páscoa”

Infância

Continue reading “Infância”

Só por um momento

Continue reading “Só por um momento”

No coração do outono

Continue reading “No coração do outono”

Por ora

Deixemos agora
que as giestas em flor
nos encham a casa.
O amarelo
como um sol reencontrado
no bolso de um velho casaco
que deixou de servir. Continue reading “Por ora”

Ser criança…

Continue reading “Ser criança…”

Parque infantil

Joga a bola, menino!
Dá pontapés certeiros
Na empanturrada imagem
Deste mundo. Continue reading “Parque infantil”

A minha casa

Continue reading “A minha casa”

Digo mãe

Floresceram as cerejeiras no lento tempo do pólen.
E vieram as abelhas, e as primeiras cerejas,
e o puríssimo mel.

Continue reading “Digo mãe”

Memórias de um lápis verde

um risco amarelo de sol
fulgurava
e o lápis verde ali
caule de uma tulipa à espera
de desabrochar. Continue reading “Memórias de um lápis verde”

A magnólia

Nem sempre as folhas são
quem primeiro vê a luz.

Continue reading “A magnólia”

Pela mão vai minha filha

Subo um passeio branco alastrado de sombra,
luz e folhas caídas.

Continue reading “Pela mão vai minha filha”

Eterno retorno

No campo, são as mesmas árvores; no
céu, são as mesmas nuvens. Outras árvores
caíram, outras nuvens passaram; mas
o campo é o mesmo, e o céu não
mudou. A sua natureza é esta: permanecer
dentro da própria mudança. Continue reading “Eterno retorno”

É fácil trocar as palavras

É fácil trocar as palavras
Difícil é interpretar os silêncios!

Continue reading “É fácil trocar as palavras”

Mãe

Conheço a tua força, mãe, e a tua fragilidade.

Uma e outra têm a tua coragem, o teu alento vital.

Continue reading “Mãe”

O chapeuzinho

A menina comprou um chapéu
E pô-lo devagarinho:
Nele nasceram papoilas,
Dois pássaros fizeram ninho.

Continue reading “O chapeuzinho”

Gatos

Gatos não morrem de verdade:
eles apenas se reintegram
no ronronar da eternidade.

Continue reading “Gatos”

Teologal

Agora é definitivo:
uma rosa é mais que uma rosa.

Continue reading “Teologal”

Plantar e colher

Continue reading “Plantar e colher”

Se flor eu fosse…

Continue reading “Se flor eu fosse…”

Saudade

Continue reading “Saudade”

Búzio

Continue reading “Búzio”

Gota de água

Continue reading “Gota de água”

Ferro

Primeiro o ferro marca
a violência nas costas.

Depois o ferro alisa
a vergonha nos cabelos.

Continue reading “Ferro”

Vida

Vida
é o inesperado nome da menina,
de pés descalços na minha cozinha.

Continue reading “Vida”

Cantiga de recordar

Doce lembrança orvalhada
de madrugadas antigas.

Fumaça de chaminé
subindo na manhã fria.

Continue reading “Cantiga de recordar”

O rio

Ser como o rio que deflui
Silencioso dentro da noite.
Não temer as trevas da noite.
Se há estrelas nos céus, refleti-las.
Continue reading “O rio”

Create a free website or blog at WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: