Que eu saiba as minhas asas

Que eu saiba as minhas asas, ainda que com medo. 

Que, ainda que com medo, eu avance.

Que eu não me envergonhe jamais por sentir ternura. 

Que eu me enamore da pureza das almas que vivem cada encontro com os tons mais contentes da sua caixa de lápis de cor.

Que o Deus que brinca em mim convide para brincar o Deus que mora nas pessoas. Que eu tenha delicadeza para acolher aqueles que entrarem na roda e sabedoria para abençoar aqueles que dela se retirarem. 

Ana Cláudia Saldanha Jácomo
(Adaptação)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: